Translate

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Como acontecem as crises












Olá pessoal,
Cada fase do crescimento do Matheus o gatilho foi se modificando, no começo visitas na casa de amigos, muitas pessoas, locais públicos eram os piores estímulos para suas crises, isso com meses, e nessa época nem imaginávamos que poderia ser autismo, chamavam meu filho de anti social, chatinho, enjoado.
Depois do diagnóstico formado, esses gatilhos foram sendo superados e outros foram criados, idas ao mercado e determinadas lojas eram terríveis, do nada ele se jogava no chão como se eu tivesse espancando ele e começava a gritaria. Por muitas vezes senti medo do julgamento das pessoas, como vários casos que via em vídeos na internet, e me imaginava num vídeo daqueles tendo que justificar a gritaria do meu filho, às vezes preferia ficar em casa, evitando assim ser julgada.
Com terapia superamos mais esse obstáculo, a escola auxiliando no comportamental. Hoje dificilmente ele da "show" em público.
Nossa guerra hoje é a hora de dormir X hora de acordar, como ele luta muito pra dormir, quando chega a hora de acordar pra escola ele está ainda muito cansado, nos dias bons ele simplesmente levanta e vai tranquilo, sonolento, mas tranquilo.
Nos dias ruins já sai da cama berrando, nesses dias eu já levanto pedindo a Deus que a crise pare no meio do caminho da escola, geralmente eu tenho que deixar ele aos berros na escola.
Os professores já veem ao meu auxílio e dão suporte nessa parte difícil.
Eu repito pra mim mesma sempre que acontece, que não estou largando meu filho, estou fortalecendo ele para o mundo.
Dói muito, mas é um mal necessário.




Copyright - Todos os direitos reservados



Definição simples de autismo






Olá pessoal,

Hoje vou explicar em poucas palavras o que é autismo.
Apesar da maioria saber mais ou menos do que se trata, O TEA ou Transtorno do Espectro Autista pode ser associado a deficiência no aprendizado em diversos estágios da vida, tarefas rotineiras que exigem coordenação motora e atenção, dependendo do estágio do autismo pode afetar a saúde física, além disso ainda podem no futuro desenvolver ansiedade e depressão. O senso de várias formas é comprometido, podendo afetar algumas funções além da consciência corporal tanto com o meio quanto consigo mesmo.

Algumas habilidades que podem sobressair nas pessoas com TEA

Habilidades visuais
Música
Arte
Matemática 


São muitas qualidades que se pode encontrar em um indivíduo com TEA.
Não pré julguem sem conhecer .

Copyright - Todos os direitos reservados

Moramos no Japão








Olá pessoal,

Hoje é dia de contar um pouco mais sobre nós.
Moro há 9 anos aqui no Japão e engravidei aqui, tive os dois meninos aqui no Japão.
A diferença de idade deles é de 1 ano e pouquinho.
Ser mãe de primeira viagem num país com uma língua complicada não foi fácil, é aprender a filtrar as informações que a gente encontra na internet também não foi.
O diagnóstico também foi selado aqui.
Cada descoberta é compartilhada em família, estamos descobrindo o mundo juntos.
Ainda me sinto inexperiente, mas isso com certeza é um sentimento de mãe.
O mais importante é que depois da primeira gestação me sinto mais ávida a descobrir as coisas, tudo que posso eu pesquiso e leio.
Não sou conhecedora da verdade, mas as minhas verdades funcionaram pra mim.
E isso é o mais importante, ter segurança nas decisões que tomamos como mãe.

Copyright - Todos os direitos reservados

Experiência no Hoykuen - Creche japonesa



     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="5561784355"
     data-ad-format="auto">





Olá pessoal,

Na minha opinião, acho que foi a melhor experiência que eu tive.
Lá ensinaram aos Meus filhos uma independência tamanha, desfraldaram, "desmamaram", tiraram o vício da chupeta, ensinaram a organização, espírito de equipe, e acima de tudo, ensinaram que todos são iguais.






Todos merecemos.
Esse carinho eu como mãe nunca vou esquecer.


Copyright - Todos os direitos reservados 




quinta-feira, 23 de junho de 2016

Primeiros dentes de leite se foram



     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="7792383953"
     data-ad-format="auto">






Olá pessoal,

Hoje eu vim contar o sufoco que eu passei, pra fazer o Matheus entender que seus dentes estavam moles e que iam cair, ele ficou desesperado que não ia ter mais dentes.
Passamos uma semana tentando convencê-lo a puxar, em vão.

Fui obrigada a levar ele no dentista por que o dente começou a inflamar, mas o dentista depois de examinar não quis arrancar o dente sozinho, eu estava ficando preocupada, mas depois de uma semana o dente caiu sozinho. 




Uns dois dias depois caiu o outro, e ele ficou com duas janelinhas.
Difícil foi explicar pra ele e convencê-lo de que iria nascer outros dentes ali, que ele não precisava se preocupar.
Ele ficou bem impressionado e perguntava todo dia, por que o dente ainda não tinha nascido
Agora já nem liga mais se tem ou não dente ali.








Andar de bicicleta



     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="3362184350"
     data-ad-format="auto">






Olá pessoal,

Os meninos ganharam bicicletas no ano novo, e adoram andar, aprenderam a pedalar em um dia.

O Matheus teve um pouco mais de dificuldade de firmar os pés no pedal, mas no mesmo dia já estava pedalando com força 



A bicicleta ainda tem rodinhas, mas andam super felizes mesmo assim, não vejo a hora de começar a ensina-los a andar sem as rodinhas.

domingo, 19 de junho de 2016

Nossa história

Olá pessoal,

O blog é sobre autismo, mas eu queria me apresentar pra vocês.
Eu sou a Juh, sou de São Paulo, capital.
Vim pro Japão faz 9 anos, e com 1 anos que estava aqui acabei engravidando do primeiro filho, ele nasceu no Japão, o Matheus. Não demorou muito logo engravidei do Lucas. Eu era mãe de primeira viagem grávida do segundo filho, loucura né?!
Logo quando o Matheus nasceu não foi fácil, com 2 meses ele apresentou uma febre muito alta que nos deixou muito preocupados, mãe de primeira viagem, fui pesquisar na internet as milhares de hipóteses, no dia seguinte levamos ao médico, para nossa surpresa por ele ser um recém-nascido precisou ficar internado, vários exames depois constataram que ele tinha uma infecção urinária, que não é tão comum em meninos, (segundo minhas pesquisas na internet).

Ele se curou e o médico mandou ficarmos de olho, não demorou muito ele voltou a ter febre, com 5 meses uma nova internação.


O médico não sabia a causa, e nós muito menos.
Com 1 ano Matheus teve uma nova febre, seguida de uma convulsão, novamente levamos ao médico é uma nova internação, já não aguentava mais essa situação, não sabíamos o que estávamos fazendo de errado, nessa época o Lucas já tinha nascido. Ficava em casa com o pai, enquanto eu ficava no hospital, ao total foram 5 internações, até transferirem o caso dele para um hospital faculdade, finalmente depois de vários exames, constataram que ele tinha o canal urinário invertido, e que precisaria tomar remédio até os 3 anos e se não melhorasse fariam uma cirurgia para o reparo do canal.
De 6 em 6 meses fazíamos exames muito invasivos nele, para que pudessem acompanhar a evolução, no último momento, próximo aos 3 anos dele fizeram um exame que seria o divisor de águas para saberem se iriam ou não fazer a cirurgia, para nossa surpresa inclusive do médico, ele estava 100% curado. 
Naquele ano, um pouco mais tarde eu receberia uma carta da escola, falando da suspeita deles sobre o autismo.
Desde o começo eu me sentia uma péssima mãe.
Por que meu filho vivia doente, com febre? Por que tantas internações? O que eu estou fazendo de errado? Sempre me fiz essas perguntas, e em seguida o diagnóstico. 
Não vou dizer que foi fácil, mas valeu a pena cada dia, isso fortalece a gente.
Eu olho pra trás e só vejo alguém forte que não desistiu de ver seus filho bem cuidados. 
Eu não sou a melhor mãe do mundo, tem dias que eu não quero cozinhar, tem dias que eu só penso na hora de dormir, abdiquei de batom e brincos por muito tempo. 
Mas com o tempo de descobri que eu sou real, e isso não dá pra mudar.



     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="2282403954"
     data-ad-format="auto">




Continuação do post - Quando percebo que estou criando algo lindo

Olá pessoal,


Estava pensando esses dias sobre o primeiro amor quando acontece.
E estava me lembrando de quando eu tinha a idade do Matheus, nostalgia total.
Acho que a menina que ganhou a florzinha do Matheus está apaixonadinha, que bonitinha.


Pena que eles crescem e perdem toda essa inocência, né?


     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="2025051959"
     data-ad-format="auto">

Rotina diária


Olá pessoal,

Hoje vou contar pra vocês como é um dia comum aqui em casa, que na minha opinião acaba não sendo nada comum.


6:45 - Acordamos 
7:00 - Café da manhã 
7:20 - Começo separando tudo que o Matheus precisa pra levar pra escola
7:40 - Saímos de casa, rumo à escola (nessa hora, ele precisa pegar o boné e a garrafa térmica que ficam pendurados na entrada da casa, são itens importantes que não podem ser esquecidos, todos os dias)
8:00 - Chegamos na escola, dali ele segue até o interior da escola sozinho


•Durante a semana a programação muda, mas geralmente ele tem aula de música, atividades do lar, matemática, educação física, linguagem japonesa, inglês e ainda frequenta a sala de apoio especial.
•No verão duas vezes por semana ainda tem aulas de natação 

15:05 - Hora da saída da escola
15:30 - Chegamos em casa 
16:30 - Nesse horário eu geralmente deixo eles a vontade pra brincarem ou verem um desenho
17:00 - Começo a fazer janta e ajudo ele nas lições, dependendo das lições demora um pouco mais 
18:30 - Jantamos
19:30 - Banho 
20:30 - Assistem mais um pouco desenho 
21:40 - Hora de dormir

Eu colocava ele pra dormir mais cedo antes, mas eles ficavam muito tempo rolando na cama, e isso acabava me deixando mais estressada com eles, agora nesse horário eles deitam e praticamente já dormem.

Enquanto ele está na escola, eu fico em casa com meu filho mais novo, faço a maior parte dos afazeres antes do Matheus chegar da escola, na hora que ele chega só sobra a janta pra fazer.


A rotina é seguida todos os dias, assim ele fica mais confortável com os horários, e eu acabo tendo menos problemas de adaptação da parte dele.



     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="9548318751"
     data-ad-format="auto">




Atividades em casa



Olá pessoal,

Hoje vou contar pra vocês um pouco do que o Matheus costuma fazer em casa pra me ajudar.
Tento incluir atividades sempre, até por que sou a única mulher em casa, imagina quando ficarem mais crescidos.
Eles me ajudam a pendurar a roupa, e sabem o local da roupa suja, então em casa dificilmente tem roupa deles jogada por aí.
Eles tiram os pratos e qualquer outra coisa que utilizem na cozinha, e colocam na pia, não sou obrigada né?
Dia sim, dia não, tem arrumação do quarto de brinquedos deles, eles têm muitos legos e aquilo vira um campo minado se deixar mais que dois dias. 
Arrumam a cama deles também, dobram cobertores.  E aí sobra a faxina pra mim, mas tento incluí-los pra facilitar a nossa vida também.
Alguns podem me julgar pela forma que conduzo a educação deles, colocando para fazer os afazeres do lar, mas as crianças também precisam aprender que o prato não vai sozinho para a pia, ou que a roupa não sai do corpo deles direto para a máquina de lavar. 
Aprendendo a arrumar, eles sabem que dá trabalho manter em ordem e fazem menos bagunça.

Além de me ajudarem sim.



     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="8071585556"
     data-ad-format="auto">




quarta-feira, 15 de junho de 2016

Traumas








Olá pessoal,

Depois de quase 1 ano depois da enchente que ocorreu devido ao tufão na região onde moro, vim falar como Meus meninos superaram.
Nosso bairro foi um dos últimos a ser atingido pela água, porém foi o mais afetado.
Na hora que saímos de casa, a água já havia chegado na nossa porta, no primeiro momento só pensávamos em sair dali o mais rápido, os meninos muito assustados entraram no carro comigo.
Em menos de 5 minutos infelizmente nosso carro foi tomado pela água, e infelizmente paramos debaixo de uma passarela, onde conseguimos ajuda de alguns japoneses que estavam se refugiando ali também.
A água já estava passando da altura do capô do carro.
Nem a roupa do corpo salvava.
Manter a calma nessa hora é muito mais difícil do que acalmar as crianças.
Felizmente todos estavam a salvo, mas não sabíamos a gravidade, nem quanto tempo ficaríamos ali naquela passarela.
Todos nós encharcados, os meninos com fome e sede, não tínhamos nem lugar pra descansar, caindo a ficha que tínhamos perdido tudo, os meninos muito eufóricos, perguntando a todo momento dos carros que tínhamos deixado na água, da nossa casa.
Depois de tudo, conseguimos contato com amigos que foram ao nosso encontro, fomos resgatados, e abrigados na casa de amigos.
O mais difícil foi explicar para os meninos todos os dias, que não tínhamos mais para onde voltar, que a nossa casa estava debaixo da água.
Até hoje o Matheus não se conforma de não ter voltado para a casa "velha", que essa casa que moramos hoje não é a casa dele.
Nos dias mais difíceis ele chora muito pedindo pra voltarmos, pergunta sobre a "cama alta" dele. (Eles dormiam em um beliche)
Nos dois primeiros meses, eles viam a chuva e já se preocupavam, perguntavam se a chuva ia levar essa casa também. 
Graças a Deus hoje o trauma da chuva já não é tão latente, somente das coisas que eles eram acostumados e que ficaram debaixo dagua.
O mais importante nesses casos, e que funciona aqui muito bem, é sempre contar a verdade. Eles vão perguntar sempre, mas nossa obrigação é sempre com a verdade.

Nossa luta já é muita dura, nos resta amenizar qualquer dano.




     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="3619536355"
     data-ad-format="auto">

-->



    

Dia de preguiça também tem





Olá pessoal,

Dia nublado, os meninos ficam mais tranquilos, ou é só impressão?

Matheus chegou da escola cansado hoje, então deixei eles um pouco "livres"



Curtir preguiça também é saudável às vezes.


     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="5118119155"
     data-ad-format="auto">


   

Quando percebo que estou criando algo lindo



     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="2164652751"
     data-ad-format="auto">






Olá pessoal,

Rotina normal diária, na hora da saída na escola do Matheus estava esperando a despedida dos alunos, quando uma amiguinha japonesa do Matheus chegou para mim, me cumprimentou, e me disse que gostava demais do meu filho, por que ele tinha dado "flores" a ela, sério gente, quase tive um troço, a menina foi uma fofa, e ele mais ainda.
Meu filho é uma criança muito querida, e a gente percebe na forma como cada coleguinha segura sua mão e o guia quando ele está perdido.

Agradeço demais por cada pessoinha dessa na vida dele.

Praia no Japão - verão chegando



     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="9687919559"
     data-ad-format="auto">




11.06.2016








Olá pessoal,



Vim contar a experiência na praia com os meninos, foi a primeira vez deles


Acho que vale demais a pena o cansaço e a sujeira, só pra ver eles correndo livres, pisando na areia todos felizes.


Muitas descobertas, muitas sensações 


A gente se encanta com as descobertas deles, com as reações.


Até pipa rolou nesse passeio (ou tentativa).
O passeio rendeu muito pra eles e com certeza não ficou trauma.

Para os interessados, encontramos essa parte da praia mais afastada, fica em Hokota.
Eles brincaram bem a vontade sem precisar se preocupar em atrapalhar os outros banhistas.



sexta-feira, 10 de junho de 2016

Nihongo - readaptação



     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="6734453159"
     data-ad-format="auto">





Olá pessoal 

Estamos completando 2 meses de aula, e já comecei a ver resultados, ele já está escrevendo o nome dele sozinho, já está começando a falar algumas palavras em japones, já não reclama tanto de fazer a lição de casa, e a partir do mês que vem vai começar a aprender música.
Dando pequenos passos ele vai chegando cada vez mais perto na linha de evolução 

Paciência sempre (às vezes a gente acaba perdendo o controle, é normal, a carga é pesada)

Jogos educativos - Apps




Olá pessoal

Passando pra contar pra vocês, que eu uso sim jogos e apps pra facilitar a alfabetização dos meninos, e pra deixá-los mais "calmos" em alguns momentos.
Utilizo na maior parte das vezes apps que são montessorianos, incentivando o raciocínio.


Vou dar a dica aqui, pra quem está no Japão, e pretende colocar os filhos em escola japonesa, são dois apps que eu utilizo muito, pra me ajudar nas lições de casa.



Fora o Google tradutor que salva minha vida várias vezes.
Tem outros apps, mas esses são os mais usados por aqui. Com o tempo vou falando de outros que eu acabo usando eventualmente por aqui.




     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="3780986758"
     data-ad-format="auto">





Asagao - Nossa experiência começando



Olá pessoal 

Asagao é uma plantinha que as crianças ganham no primeiro ano na escola primária, e tem que cuidar por muito tempo.
Nos primeiros anos ela é utilizado como experiência na escola.
Matheus tem uma na escola, e outra em casa.
Fizemos um vaso e ele está cuidando da plantinha.

Ela chegou assim



Achei até que não ia ficar forte e resistir 
Plantamos ela num vaso e decoramos 



Hoje já temos uns brotinhos a mais, plantinha forte 



Por enquanto, ele só está cuidando dela.
Vou contando a evolução da experiência aqui pra vocês.




     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="2304253559"
     data-ad-format="auto">





Soneca da tarde que atrapalha o sono



     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="9827520351"
     data-ad-format="auto">






Olá pessoal

Alguém com o mesmo problema?
A escola japonesa tem uma rotina super puxada, e todo dia o Matheus chega em casa bem esgotado.

Esse horário acaba virando um martírio fazer qualquer coisa, às vezes ele cochila no carro, de tão cansado



Nesses dias pode esperar que a noite vai ser longa, se ele dá um cochilo que seja de 5 minutos pode aumentar 1 hora de espera pra dormir à noite.
Confesso que acabo deixando ele dar esses cochilos, senão não consigo por ele pra fazer lição quando chega em casa. 

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Seletividade alimentar - Comida com barulhinhos







Olá pessoal,

Hoje eu vim falar do nosso problema com as comidinhas com coisas que fazem "barulhinho" (cebola, alho poro, ou qualquer coisa "crocante")
O Matheus de uns tempos pra cá está tendo dificuldade pra comer essas coisas e tem reclamado muito, no começo tirava do prato e arremessava 
Hje em dia ele separa com a mão e come separado pra ouvir o barulhinho, eu continuo colocando no prato pra tentar adaptação, já que ele nunca fez ânsia 
Com ele funciona

Tem outros alimentos que ele insiste em chamar de nojentos, eu tento passar que é feio falar assim, mas essa coisa do nojento está difícil de tirar 

Matheus também tem problemas com os doces, dependendo do doce não come, por nada


Mas até que no geral ele come bem, não posso reclamar, talvez com adaptação ele consiga mudar essas regras ruins que ele criou na cabeça dele.



     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="8350787150"
     data-ad-format="auto">




Como desfraldei




Olá pessoal

Hoje vim falar sobre como foi o desfralde dos dois em casa
Foi totalmente tranquilo, tivemos somente um acidente na cama, e outro no corredor no caminho do banheiro

Começamos com o dia, na escola o apoio era grande
Na parte da noite eu tinha receio de deixar ele sem fralda pois era um beliche e o Matheus dormia em cima, morria de medo dele vazar na cabeça do irmão 
Então eu deixava ele todo o dia sem fralda e só coloca a noite, durante a noite aos poucos ele começou a deixar de fazer xixi até que percebemos que a fralda amanhecia seca, resolvemos tirar também, isso durou cerca de 3 meses aproximadamente
Já o Lucas como no começo via o irmão foi mais tranquilo porém ele era mais esquecido e teve mais acidentes na cama


Mas o saldo geral foi ótimo, em menos de 1 ano os dois foram desfraldados sem traumas ou estresse.





     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="6874053953"
     data-ad-format="auto">

Ok sai da fralda, quando chega a hora de limpar sozinho



     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="5397320752"
     data-ad-format="auto">









Olá pessoal 

Recentemente ando com essa preocupação na cabeça me perseguindo, quando é a hora de ensinar eles a limparem o bumbum?
Já vai fazer 1 ano que eles estão desfraldados, mas ainda me chamam pra limpar

Eu vou começar a ensinar, e vou contando pra vcs como está sendo o progresso por aqui 

Quando ele saiu da fralda 100%



     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="2443854358"
     data-ad-format="auto">



28.05.2016



Olá pessoal,
O Matheus saiu da fralda pro xixi muito rápido, de dia e a noite, não tive problemas 
Porém com o coco ele sempre teve vergonha de fazer na escola e em outros lugares, não aceitava que colocássemos ele sentado na privada
Quando chegava a hora do coco ele sempre corria e pegava fralda 
E como tínhamos medo dele ficar com prisão de ventre, ele chegava a ficar 1 semana sem ir ao banheiro ou mais traumatizado sempre deixei que o tempo fizesse sua parte
Na primeira viagem de avião dele fui prevenida com fraldas, mas já sabia que não ia ser necessário 
Quando chegamos no aeroporto ele disse que estava com dor de barriga, quando vi que ali poderia surgir uma chance ofereci que ele sentasse 
E ele aceitou 


E desde esse dia ele não precisou mais de fralda e essa alegria e tantas outras não tem preço 

Mal humor matinal



     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6006320360615184"
     data-ad-slot="8490387952"
     data-ad-format="auto">




28.05.2016




Olá pessoal,

Nossa rotina é bem regrada, tudo no seu devido horário e quando alguma coisa sai do horário complica as coisas pro meu lado.
Geralmente a hora do sono é por volta das 21:00 mas nunca adormece antes das 22:00.
O horário de acordar em dias de aula geralmente é as 7:00, dando em torno de 9hrs de sono, o problema é que de manhã o Matheus não quer levantar e reclama que ainda está cansado.
Geralmente esse dias que ele acorda virado, é choradeira até a porta da escola, sai arrastado de casa, a crise é bem forte
Já houve casos de precisar de dois professores pra conter ele, e nesses dias eu tenho que ir embora com o coração na mão, por que é necessário que ele fique na escola